ISSN 1807-1783                atualizado em 17 de setembro de 2014   


Editorial

Expediente

De Historiadores

Dos Alunos

Arqueologia

Perspectivas

Professores

Entrevistas

Reportagens

Artigos

Resenhas

Envio de Artigos

Eventos

Curtas


Nossos Links



Destaques
Fale Conosco
Cadastro
Newsletter

[ 29 de outubro de 2010 ]

Masculinidades em pose: encenando aparências no estúdio fotográfico

Década de 1940. Município de Brusque, interior do estado de Santa Catarina. No estúdio fotográfico de Theobaldo Scharf, dois homens fazem pose diante de um cenário pintado com pequenas folhagens (figura 06). Desde cedo o fotógrafo revisava seu equipamento, visto que nos dias de sábado o movimento no estúdio é sempre intenso. Enquanto os dois homens permanecem de pé, Theobaldo ajeita a cortina, procurando, assim, controlar a iluminação do espaço. Aos poucos vai organizando a cena e ensaia algumas poses com os retratados. Conferindo o ângulo da cena, faz mais alguns ajustes no equipamento. Posiciona-se atrás da câmera e... num breve abrir e fechar do obturador, o momento permanecerá eternizado. leia mais

[ 29 de outubro de 2010 ]

Da festa à inserção: louvores e glória a um santo pardo no Recife (1745)

Em meados do século XVIII, mais especificamente no ano de 1745, o Recife foi palco de um “grandioso festejo” religioso e profano, realizado e patrocinado pelos homens pardos, em homenagem a São Gonçalo Garcia, um santo pardo. leia mais

[ 29 de outubro de 2010 ]

Frigorífico Anglo e Bairro da Balsa: histórias paralelas e tão diferentes. Análise da Formação do Bairro da Balsa em Pelotas – RS

Este artigo é composto por fragmentos do capitulo da dissertação de mestrado defendida pela autora em 1999, na PUCRS, com o titulo: “Entre os valores do Patrão e os da Nação, como fica o Operário? – O Frigorífico Anglo em Pelotas – 1940-1970. leia mais

[ 05 de outubro de 2010 ]

Os sentidos existentes nos nomes das ruas de uma cidade

A cidade de Uberaba está localizada no estado de Minas Gerais, mais especificamente na região do Triângulo Mineiro. Fazendo uma leitura sobre a história desta cidade, encontramos na fala de um memorialista, José Mendonça, que a partir de 1855 é que se começou a denominar as ruas já existentes na vila, no intuito de conseguir junto a Assembléia Provincial a elevação de vila a cidade (Uberaba recebe o título de cidade em 1856). Anteriormente as ruas eram identificadas pelos moradores que residiam nelas. Uma das primeiras ruas a receber um nome em Uberaba foi a Rua do Comércio. Entretanto, ela possuiu também os seguintes nomes: Rua Baixa, Rua do Centro e Rua do Fogo. A Rua do Comércio tinha início na Praça da Matriz e terminava na Rua Padre Zeferino. Posteriormente, com a instalação da Companhia Mogiana é que o traçado da rua estendeu-se até onde hoje ela se encontra. leia mais

[ 05 de outubro de 2010 ]

História e Sujeitos: Percursos Metodológicos no Fazer Biográfico

Na década de 1970 Jacques Le Goff e outros historiadores popularizaram a expressão “Nova História” através do livro La Nouvelle Histoire, para se referir as várias perspectivas da escrita da História. Muitas possibilidades de pesquisa e de construir trajetórias ganharam espaço entre os historiadores. Deste modo, o fazer biográfico também encarou mudanças significativas e sofreu grandes críticas. Passou-se a desacreditar na construção da trajetória do sujeito como a única possibilidade de entender o caminho por ele traçado e na certeza de uma narrativa total sobre o sujeito. Ainda para Vavy Pacheco, a obra Life of Samuel Johnson LL.D, escrita por James Boswell, em 1971 é tida como o marco inicial dos trabalhos que hoje se preocupam em demonstrar um método investigativo da vida de sujeitos de destaque ou não para determinada sociedade, além de evitar o panegírico, e usando documentos, entrevistas e as escritas de si. leia mais

[ 05 de outubro de 2010 ]

O Estudo Histórico da Cultura Escolar e a Questão das Fontes

O objetivo deste artigo é apontar o uso das fontes nas investigações histórico educacionais cuja categoria norteadora é a cultura escolar. Para tanto, partimos do trabalho de Dominique Julia, “A cultura escolar como objeto histórico”, onde é apresentada a definição da categoria usada neste trabalho - um conjunto de normas que definem conhecimentos a ensinar e condutas a inculcar, e um conjunto de práticas que permitem a transmissão desses conhecimentos e a incorporação desses comportamentos (JULIA, 2001, p. 10) - e também lançada a questão das fontes para seu estudo. O presente trabalho atende ao objetivo de traçar uma reflexão sobre o uso das fontes nas investigações histórico educacionais cuja categoria norteadora é a cultura escolar. De certo modo, a produção deste artigo vem em defesa da possibilidade de execução de estudos neste campo de pesquisa. leia mais
próximos     anteriores
Chamada para submissão de artigos
A Revista Estudos Amazônicos está aberta à submissão de artigos para o dossiê "Religiões e Religiosidades". leia mais

A Trajetória de Jean-Paul Sartre e o Terceiro Mundo.
O artigo estabelece as possíveis relações entre a trajetória de Jean-Paul Sartre (1905-1980) e o Terceiro Mundo e, em última instância, enseja reflexões e debates sobre o papel do intelectual e/ou das esquerdas partidárias brasileiras na sociedade à luz do conhecimento histórico. leia mais